domingo, 17 de agosto de 2008

Foto por: desconheço o autor. Banco de imagens do google.

O céu estrelado passou a ser mais que isso. As mãos calmas encontram a minha nuca. Quero que ele me beije. Esse homem que mais parece um menino desamparado em meu colo.

Qual será o motivo de tamanho entorpecimento? Por que razão essa necessidade de estarmos grudados o tempo todo? Por que essa vontade de velar o sono dele a noite inteira? A intensidade desse cheiro entra pelas narinas e gruda na memória...

Beijos e mais beijos. Afagos. Aquele desespero nos abraços e carinhos. Tudo agora fica mais intenso, febril. É isso mesmo, meu anjo. Sente meu gosto como quero sentir o seu. Olha-me nos olhos e ouça o bater de meu coração, agora acelerado ao sentir seu toque. Meus suspiros... O vapor quente que sai junto à minha respiração. Deitados, um ao lado do outro, o mundo parece mais seguro. Essa relação onde basta uma simples troca de olhares e um já sabe o que o outro está pensando. Perfeita sintonia.

Acalmo-me agora. Sinto-me acolhida. Sinto que as gotas de orvalho comçam a aparecer nas flores lá fora. O sol nasce daqui a pouco e terei que ir. Mesmo contrariando minha vontade.

Sairei no escuro para evitá-lo. Entreguei-me hoje... completamente. E agora ele sabe do domínio que possui sobre meu corpo. Entre roncos noturnos, me despeço. Com um sorriso dissimulado em meu lábios.

Com que será que ele sonha? Não interessa. Esse homem de barba serrada sabe que é meu. Uma mulher sabe deixar suas marcas. E deixei a minha. Marquei-o entre os suspiros e a respiração profunda dessa noite.

-És meu, querido. E agora sou tua. Somente tua.

Desisto! Não poso sair. Que será isso? Apenas desejo já não é... Quero esses olhos verdes sempre me olhando. Quero esses beijos... esse gosto... esse cheiro... Pela primeira vez, sinto-me mulher. Ele me faz sentir... ter essa sensação. De fato, sou dele. Nesse silêncio que bate nas paredes, adormeço. O corpo amolece e no início do sono, murmuro:

-Sua, meu anjo. Só sua.

Leia Mais